Menu

terra de espíritos

histórias, crônicas e contos

Não estão sozinhos

Por: Antonio Mata

Todas as ações necessárias haviam sido definidas. Voluntários do mundo físico estavam a bordo, igualmente prontos para presenciar e prestarem o seu testemunho, quando de regresso.

As ações, os planos destinados ao amparo dos demais, no momento devido recebem divulgação. …

Read more

O carro é bom

Por: Antonio Mata

Por mais que se quisesse reclamar, há de se convir que 14 anos é um bocado de tempo. Ainda assim, quando ficou sabendo do tamanho do problema, ficou impressionado.

Já sabendo das reações de seu público, Barroso já havia separado as peças. Estavam totalmente desgastadas. Era…

Read more

A procissão

Por: Antonio Mata

Balbuciava algumas palavras, afirmando ser muito insistente. Mesmo não dando atenção ou pensando em outra coisa. Não muito fácil de se ignorar pelo visto.

O mal-estar era grande, provocando dor de cabeça pela simples presença. Dava para notar que estava mesmo incomodado.…

Read more

Invisível e silencioso

Por: Antonio Mata

Estranho animal

De elos enrolados estava a serpente. Grande, silenciosa, hostil e mortal. Aguardava seu momento de agir. Ser estranho e desconhecido de muitos, logo disputaria espaço com os demais. Porém, onde chegava tinha o costume de vencer.

Então, começou a sair. Des…

Read more

Os Tetras

Por: Antonio Mata

O parque extenso e arborizado, com diversos bosques, campos, pistas, trilhas e lagos, talvez indicasse uma grande praça de esportes. Bem verdade que o convite aos amantes do esporte estava lá. Ainda que não fosse só isso.

Crianças corriam pelos campos livremente, porém ol…

Read more

Inspiração

Por: Antonio Mata

O arranjo, por rudimentar que fosse, teria dado conta dos propósitos. Senão, ao menos parecia ter servido para alguma coisa. Estava dependurada no interior da construção, reservada para os dias sagrados do lugar.

Foi-lhe útil e ajudou a pequena população a se manter coesa…

Read more

O casal voltou

Por: Antonio Mata

O pedaço de cordão que prendia a bandeira foi transformado em uma maçaroca de fios. Um ano, dois anos. Nem que fossem três. Então conversavam alegremente, em um chilreado intenso, como quem decidia como agir.

Perto da janela tomava café, bem cedo e apenas assistiu. O Des…

Read more

Sobre a paciência

Por: Antonio Mata

Tivera os seus dias de força, rigidez e tenacidade na sustentação do resto para que não sucumbisse. Também já tivera sua vez de participar de formidável e intrincado conjunto.

Os séculos simplesmente passavam ao largo, parecendo não fazer diferença. A copa exuberante, …

Read more

A procisão

Por: Antonio Mata

Balbuciava algumas palavras, afirmando ser muito insistente. Mesmo não dando atenção ou pensando em outra coisa. Não muito fácil de se ignorar pelo visto.

O mal-estar era grande, provocando dor de cabeça pela simples presença. Dava para notar que estava mesmo incomodado.…

Read more

A cigana e o caçador

Por: Antonio Mata

O facão na mão direita desferia golpes ao léo. A espingarda de um tiro só nas costas, estava carregada. No bolso mais dois cartuchos de calibre 38. Por sinal os últimos.

Desperdiçara a munição atirando em qualquer coisa que encontrasse. Tinha sede de aprender a atirar e …

Read more

Mau-olhado

Por: Antonio Mata.

Gentil e de boa vontade, convidou os meninos, todos irmãos, para um lanche. A surpresa ficava por conta do cachorro-quente. Prático e saboroso frequentador dos lanches da tarde.

O irmão mais velho, mal tinha completado treze anos. Daí para baixo vinha a escadinha com cinco…

Read more

O vale

Por: Antonio Mata

Ninguém perguntou nada de ninguém. Mesmo assim, alguém achou de lhe dar uma resposta. Só ouvia uma voz desconhecida, sem poder definir imagem alguma, tamanha a escuridão.

Não bastasse isso, uma queimação nos braços, pescoço, peito e costas. Como se quisessem lhe arrancar…

Read more

Passar

Por: Antonio Mata

A curiosidade que fez avançar o ímpeto humano, rumo às descobertas da ciência, não era diferente daquela que lhe fez queimar os dedinhos. O susto e o grito logo depois, foi inevitável.

Fazia era tempo que Nazaré namorava com os olhos, aquele pedaço de ferro todo cinzent…

Read more

A chibata

Por: Antonio Mata

Nos tempos primordiais as lições eram as mesmas, tanto lá como aqui. Os castigos e punições estavam presentes. A compaixão, filha nobre, nasceria por entre o sangue escorrido e misturado com a terra.

 
Bastou separar os homens das crianças espirituais. Aqueles que, …

Read more

Os rebeldes

Por: Antonio Mata 

Vida e vicissitudes lado a lado. A superação das dificuldades sempre presentes. Lições importantes e necessárias. Quando se busca um atalho, uma simplificação, o resultado não costuma ser satisfatório. Precipitação e inocência às vezes se confundem.
 
Estav…

Read more

View older posts »

busca

comentário